domingo, 10 de novembro de 2013

Afinal, por que as coisas não estão dando certo em minha vida?

              Olá querido leitor, este mês estudaremos sobre um assunto que diz respeito aquilo que temos semeado em nossas vidas e nas vidas das pessoas que mais amamos, muitas vezes de forma consciente, e outras vezes de forma inconsciente, de boa intenção, ou por má intenção. Lutamos para alcançar a felicidade, o nosso bem estar e o de toda nossa família, e muitas vezes não nos importamos com a maneira como estamos fazendo isso, olhamos para o nosso objetivo, porém, esquecemos que existe um caminho para se chegar lá, e muitos estão tentando encurtá-lo, pegando atalhos e desvios. Falaremos sobre as justiça de Deus, a obediência que Ele exige do homem, a maldição decorrente dos nossos pecados e o arrependimento que conduz a vida.
Quero convidá-lo a olhar para dentro de você, tente rever as ações que você fez no passado que o levou a situação em que vive no presente. Se você conversasse agora com Deus e colocasse diante dele sua vida, Deus estaria aprovando suas ações? Até mesmo aquilo que está oculto Ele sabe. Deus se revela nas Escrituras como o Justo Juiz que prova o mais íntimo do nosso coração (Jr 11:20). A palavra de Deus é o padrão do cristão, e Ele exige do homem obediência a sua vontade revelada, ou seja, que pratique a justiça, e ame a misericórdia e ande humildemente com Ele (Mq 6:8). Deus estabeleceu as regras de obediência ao homem em sua lei moral, resumidamente compreendida nos dez mandamentos (Dt 10:4) em amar ao Senhor nosso Deus de todo o nosso coração, de toda a nossa alma, de todas as nossas forças e de todo o nosso entendimento; e amarmos ao nosso próximo como a nós mesmos” (Mt 22:37-40). Muitas pessoas semeiam trigo e colhem espinhos, estão se cansando sem proveito algum, e os seus frutos serão para si vergonha (Jr 12:13). O que quero dizer é que, muitos tentam “abençoar” outras vidas, até mesmo com boas intenções, porém, com conselhos errados, colocando uma pedra de tropeço em suas vidas de forma inconsciente ou consciente. Outros estão oferecendo sacrifícios a Deus em troca de suas bênçãos. Exemplo: Incitar uma pessoa a comprar um diploma, a subornar e defraudar o próximo é conduzi-la a pecar. Na família acontece o mesmo, pais que pagam a faculdade de seus filhos com dinheiro iníquo, que colocam os filhos na sala para assistirem filmes pornográficos e que aconselham seus filhos terem relações sexuais desde a adolescência ao invés de se guardarem para o casamento, estão semeando maldição em suas vidas. Infelizmente este é padrão moral da família hoje, no livro do Profeta Miquéias é relatado a tristeza que ele sentia ao ver a corrupção moral de Israel, principalmente porque, a família, unidade fundamental da sociedade judaica, encontrava-se em acelerado processo de desintegração, a situação havia chegado ao ponto que amigos e vizinhos não confiavam um nos outros (Mq 7:1-7).
Não existe maldição hereditária como tantos pregam por aí, veja Ezequiel 18:19,20, a responsabilidade é pessoal, porém, podemos semear maldição na vida das pessoas que mais amamos quando as fazemos tropeçar, incitando-as a pecarem contra o Senhor, como vimos nestes exemplos. E podemos amaldiçoar a nós mesmos quando nos entregamos a uma vida de desobediência a Deus, vivendo no pecado. Em Números  22 ao 24 Balaão era conhecido como um Profeta de aluguel (Dt 23:4,5), muitos o contratavam para abençoar e amaldiçoar vidas. Balaão tentou amaldiçoar o povo de Israel em três tentativas a pedido de Balaque o rei moabita, porém Deus reverteu as maldições em benção, ele chegou a edificar altares e oferecer sacrifícios a Deus tentando ver se Deus mudaria de idéia, mas não conseguiu. Qual foi a maneira que ele encontrou para amaldiçoá-los? Balaão fez o povo de Israel tropeçar e os seduziu fazendo-os cair em pecado de modo que fossem julgados por Deus. Balaão reuniu o povo de Israel com os moabitas e midianitas e fizeram uma festa religiosa, ali havia idolatria e imoralidade. O povo pecou, e eles sofreram grandes conseqüências daquele erro (Nm 25). Existem muitos cristãos que estão oferecendo sacrifícios a Deus para conseguirem suas bênçãos para realizarem seus desejos. A essência da desobediência é rebelião, é como pecado de feitiçaria mostrado em I Samuel 15:23, pois é uma tentativa de obter poder pessoal em rejeição a Deus, então aquilo que se oferece é o mesmo que idolatria nestas circunstâncias. Deus exige atos de justiça, obediência e não sacrifícios (Am 5:21-24; I Sm 15:22,23).  Outros tentam obter qualquer coisa espiritual ou sagrada mediante remuneração, este é o pecado da simonia apresentado em Atos 8:18,19 quando Simão, o mágico, tentou comprar dos Apóstolos Pedro e João o poder de conceder o Espírito Santo para aqueles que impusesse as mãos, daí o nome simonia. Quero dizer que se você pratica tais coisas, e está lendo este artigo, tenho boas notícias, Jesus está te chamando para se arrepender, porque ele veio ao mundo para salvar pecadores como você e eu (Lc 5:32) e somente a Fé em Jesus Cristo e o arrependimento para a vida, o pecador através da graça salvadora deixará seus pecados abandonado-os e voltando para Deus, e estará inteiramente resolvido a prestar-lhe nova obediência (Rm 6:18). Confesse hoje mesmo os seus pecados a Cristo, creia somente nele para sua salvação e de toda a sua família (Rm 16:31).
“Arrependei-vos, porque está próximo o reino dos céus” (Mt 3:2).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Pedir perdão em vez de pedir desculpas

Pedir desculpas é bíblico? Não! Pedir desculpas não resolve completamente a ofensa, pois duas pessoas podem sair de uma conversa sem sab...