sábado, 14 de fevereiro de 2015

O Nono mandamento



“Não dirás falso testemunho contra o teu próximo” (Êx 20:16)

Caro leitor, já estamos nos aproximando do fim da sequência de estudos dos dez mandamentos. Como vimos até aqui todo preceito é para ordenar ou para proibir. Quando Deus proíbe algo, ele ordena o contrário, ou se ele ordena algo que lhe agrada, o contrário lhe desagrada (Catecismo Maior de Westminster 144, 145).
A finalidade deste mandamento é mostrar que Deus detesta a mentira, pois é nossa obrigação dizer somente a verdade sem fingimento (Ef 4:25), que não prejudiquemos a reputação de ninguém com calúnias ou boatos lhes causando danos morais com falsas acusações (Êx 23:1,7; Lv 19:16,17). Em Provérbios 22:1 aprendemos que a reputação é mais preciosa do que qualquer tesouro. As vezes podemos causar mais danos a uma pessoa pela mentira do que pelo roubo (CALVINO, As Institutas, I, p. 209, 2006).
Neste mandamento todas as formas de detração ou maledicência são condenadas. Detração se refere a injúria odiosa, denúncia feita por maldade. Se Deus exige a verdade devemos denunciar somente com a intenção de corrigir o faltoso com amor e justiça. A ação judicial deve ser feita com o objetivo de remediar males advertindo pessoas que precisam de advertência para não permanecerem no engano. A lei de Israel exigia que houvesse duas ou três testemunhas para determinar a culpa de uma pessoa acusada. Este princípio foi aplicado na igreja do Novo Testamento (Dt 19:15, Mt 18:16, 2 Co 13:1; 1 Tm 5:19). Aqueles que agem de forma contrária, com a intenção de prejudicar a reputação do seu próximo violam este mandamento.
“Como um pedaço de pau, uma espada ou uma flecha aguda é o que dá falso testemunho contra o seu próximo” (Pv 25:18 NVI). Neste provérbio vemos que a deslealdade de uma testemunha falsa é comparada a três armas letais. Na antiguidade o escudeiro carregava para o guerreiro as armas que ele precisaria em diferentes estágios da guerra. Para combate corpo a corpo ele usava um bastão de guerra, para combates menos próximos, mas ainda de curta distância ele usava uma espada, e para combates de longa distância o arco e flecha seria sua opção de uso. Um homem que se depõe contra seu próximo como testemunha falsa é retratado neste provérbio golpeando sua cabeça com um bastão, trespassando seus órgãos com uma espada e matando-o com uma flecha mortal mostrando o horror que é uma ideia de perjúrio.
Isto tem se tornado um vício em nossa sociedade. Pois todo mundo gosta de investigar e descobrir os vícios dos outros. Este é o famoso mexeriqueiro (Lv 19:16, Pv 11:13, Pv 18:8, Pv 20:19), vive sempre procurando descobrir os segredos das pessoas para poder difamá-las. “A falsa testemunha não fica impune, e o que profere mentiras não escapa, perece” (Pv 19:5,9).
Devemos manter e defender publicamente a verdade, pois quando nos conservamos calados quando a iniquidade reclama a repreensão de nossa parte e suprimimos a verdade com o nosso silêncio indevido em uma causa justa é certo que sofreremos as consequências da nossa iniquidade (Pv 31:8,9; Lv 5:1, Lv 19:17; 1 Rs 1:6; At 5:3).
Portanto, se temos o verdadeiro temor de Deus seremos aperfeiçoados em seu amor. Quando amamos o nosso próximo com o perfeito amor que Cristo nos ensinou, (porque ele nos amou primeiro), expulsamos todo ódio, medo, inveja, porque nosso desejo agora é manter a honra e a boa reputação do nosso próximo (1 João 4:18-21). Devemos procurar empregar todos os meios que estiverem ao nosso alcance para não ouvir e nem falar nada que contenha ou incentive a blasfêmia, difamação ou palavra insultuosa. “Não te vingarás, nem guardarás ira contra os filhos do teu povo; mas amarás o teu próximo como a ti mesmo. Eu sou o SENHOR” (Lv 19:18, Mc 12:31).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

À procura da Felicidade

Em 2006 um filme estrelado por Will Smith retratou a história real da vida de Chris Gardner, um empresário norte-americado, investidor...