quinta-feira, 11 de fevereiro de 2016

Os prejuízos causados pela pornografia em nossos lares - Parte II



Alguns anos atrás participei de um curso de liderança para pastores, líderes e missionários. Todas as pessoas presentes em minha sala eram líderes atuantes em suas igrejas, e um dos módulos que estudamos tratava sobre a integridade do líder. Lembro-me bem que no final da aula entregamos um folheto sem colocar nosso nome que continha somente respostas de “SIM” ou “NÃO” para cada pergunta que o professor havia feito durante a aula, e uma das perguntas feitas era se tínhamos contato com pornografia. No final da aula de acordo com o somatório de “SIM” e “NÃO” de cada pergunta pude identificar que o total de pessoas que tinham problemas com a pornografia, somente naquela sala, era cerca 60%. Estamos falando de 60% de líderes e não de liderados no qual eu também me incluía.
Este é um problema sério que muitos homens trazem para dentro de seus casamentos por falta de esclarecimento e aconselhamento dentro da própria igreja. Um jovem muitas vezes entra no casamento com a mente cheia de imagens pornográficas e com o coração repleto de fantasias sexuais. Muitos jovens não sabem que todas essas imagens que ele tem visto hoje terá consequências no futuro quando se casar. A pornografia é como uma semente, ela vai lançar raízes para poder crescer e assumir o maior controle possível do coração. O casamento é a união entre homem e mulher (Gn 2:18-25; Mt 19:6), e a pornografia tem o poder de causar prejuízo ao casamento exatamente porque foca-se no ego e não na união. Ela faz com que a pessoa viva em um isolamento psicológico, em um afastamento para um pequeno mundo de autogratificação. É por isso que a pornografia zomba de uma união verdadeiramente íntima, pois ela promove atos isolados de masturbação e atos egoístas de abuso sexual. Se você é um homem, precisa saber que Deus chamou você para amar sua esposa como Cristo ama sua igreja (Ef 5:25-33). Você pode estar olhando para ela como um olhar de um pornógrafo. 
Muitos homens solteiros pensam que a solução para com o vício da pornografia, masturbação e até relação sexual pré-conjugal (fornicação; At 15:20,29) seja o casamento. Aliás, um método muito prático vem sendo praticado dentro das igrejas, o que eu chamo de “legalização do pecado”, a pessoa não se posiciona perante Deus para deixar suas práticas sexuais ilícitas, não se arrepende de seus pecados, e então o pastor ou o líder eclesiástico “soluciona” rapidamente o problema do casal realizando o seu casamento no civil e depois quem sabe no religioso. “Essa ideia de que o casamento vai resolver tudo pressupõe que o sexo ilegítimo está em pé de igualdade com o sexo legítimo dentro do casamento. Essa percepção presume que mau comportamento pode ser simplesmente substituído por bom comportamento, trocados como peças em uma máquina” (Desintoxicação Sexual – Tim Challies). No início pode até ser que o casal sinta que tenha um relacionamento sexual gratificante em todos os sentidos. Porém, o pecado jaz a porta, adormecido, aguardando um momento oportuno (Gn 4:7). Pode levar semanas, meses ou até anos. A questão é que mais cedo ou tarde ele vai mostrar sua cara feia outra vez. Esse vício pode voltar quando você menos esperar. Pode acontecer quando sua esposa estiver viajando por alguns dias, quando estiver sozinho em um quarto de hotel, quando viajar a trabalho. Pode acontecer em uma época do nascimento de um bebê, quando por um tempo a esposa estiver impossibilitada de ter relações sexuais. Em algum momento, é bem provável que o pecado volte para assombrá-lo e ferir seu casamento.
É preciso estar preparado para vencer as tentações (1 Co 10:13). A tentação não vai acabar porque se casou e agora tem em sua esposa uma saída física e sexual legítima. O problema parece ser uma batalha externa, mas é interna, vem do coração. “Porque do coração é que saem os maus pensamentos, homicídios, adultérios, imoralidade sexual, furtos, falsos testemunhos e calúnias. São estas coisas que tornam o homem impuro (Mt 15:18-20).
Mesmo que ocorra uma desintoxicação real e profunda em seu coração pela graça de Deus, essa batalha nunca acaba. Deixar a pornografia de lado é o correto a ser feito, mas não o suficiente. É preciso substituir a mentira pela verdade e uma prática profana por outra santa. Próximo estudo aprenderemos sobre a provisão que o Senhor dá àquele que é tentado, até lá!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

À procura da Felicidade

Em 2006 um filme estrelado por Will Smith retratou a história real da vida de Chris Gardner, um empresário norte-americado, investidor...