quinta-feira, 31 de agosto de 2017

Raposinhas na vinha e a interrupção do romance



“Apanhem para nós as raposas, as raposinhas que estragam as vinhas, pois as nossas vinhas estão floridas” (Cânticos 2:15)

Quando li este texto achei muito engraçado, pois o que tem a ver raposas em um livro poético como o de Cânticos onde o tema central é uma paixão romântica no casamento?

Vejamos o que este versículo tem para nos ensinar. Nessa época, as vinhas eram protegidas por cercas de pedra. Eram construções altas o bastante para evitar que os predadores saltassem sobre elas. Mesmo assim, muitas raposas conseguiam entrar pelos buracos na cerca. A raposa é um animal astucioso, e sempre chegava à vinha na época da florada. As raposinhas amam os botões, pois são muito saborosos. Mas a perda destes botões significa que não haverá flores, nem uvas na vinha, nem vinho na mesa.

É nesse contexto que Salomão e sua amada conversando sobre o amor e a paixão deles, estão comparando a interrupção do romance com as raposas que comem as flores da vinha.

“Todo casal precisa apanhar as raposinhas que perambulam para interromper o romance antes mesmo que se concretize” (Dennis Rainey)

No casamento precisamos saber o que e quem são as raposinhas que mais causam danos ao romance.

Quero listar vários deles, mas podem existir outros em seu casamento:
  • ·         Apatia
  • ·         Filhos
  • ·         Amante
  • ·         Conflitos não resolvidos
  • ·         Diferenças
  • ·         Inversão de papéis
  • ·         Tempo mal-empregado
  • ·         Interferência externa

 Em meu casamento as principais raposinhas que têm interferido neste momento em meu romance com minha esposa são os filhos e a amante. Não se assuste, a amante para aqueles que dedicam tempo ao serviço cristão chama-se “ministério”. Sim, podemos dar o coração, a alma e a mente para o ministério e não dedicar tempo e investimento no romance com a esposa. Os filhos são benção do Senhor, mas o casal deve estar atento para que eles não se tornem o centro do casamento. Tenho dois filhos pequenos, e como essas raposinhas perambulando pela casa interferem colocando obstáculos no meu relacionamento com minha esposa, não posso abraça-la que já vem um menininho ciumento sentando entre nossas pernas para nos separar...rsrsrsss.

Outra raposinha que tem colocado obstáculos em muitos romances são os conflitos não resolvidos. Muitos maridos e mulheres reclamam frequentemente de estarem enfrentando problemas com sexo, mas em geral, o problema não é o sexo, mas os problemas do dia que foram levados para o leito à noite. Estes problemas deveriam ter sido resolvidos antes da hora de dormir (Ef 4:26).
 
O romance deve ser cultivado e protegido das raposinhas. Por isso é preciso identificá-las e investir em passeios sozinhos, jantares românticos e etc.


Embora intimidade e romance sejam ingredientes importantes para um casamento saudável, um bom casamento não cresce no solo do romance, mas no solo da adoração. O romance doce e duradouro é fruto de um bom casamento que adora a Deus. “A adoração é o problema e é a cura; a guerra de nossos casamentos é de adoração” (Paul Tripp). Nosso problema não é amar nosso cônjuge o bastante, não, nosso maior problema é não amar a Deus o bastante, por isso deixamos de amar nosso cônjuge como deveria ser amado. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

À procura da Felicidade

Em 2006 um filme estrelado por Will Smith retratou a história real da vida de Chris Gardner, um empresário norte-americado, investidor...