terça-feira, 19 de setembro de 2017

O casamento e o “pedaço de papel”



“Não preciso de um “pedaço de papel” para amar você!” Esta tem sido a declaração de muitas pessoas que querem evitar o compromisso do casamento partindo do pressuposto de que o amor é a base de um relacionamento. Só que no plano de Deus, “compromisso é a base do casamento, e o amor, o fruto” (Ken Sande). “Não é o amor que sustenta o casamento, mas o casamento que sustenta o amor” (Dietrich Bonhoeffer).

Quando uma pessoa diz: “Eu amo você, mas não vamos estragar tudo nos casando”, na verdade, o discurso por trás disso é: “Eu não amo você o suficiente para excluir todas as outras opções. Não amo você o suficiente para me entregar de modo tão completo”. Dizer: “Não preciso de um pedaço de papel para amar você” é, basicamente, o mesmo que dizer: “Meu amor por você não chegou ao nível de acabar em casamento” (KELLER; 2012, p.96)

Existem dois tipos de relacionamentos:
  • ·         Relações de consumo: elas duram apenas o tempo necessário para que um fornecedor supra suas necessidades. As necessidades do indivíduo são mais importantes que o relacionamento.
  • ·         Relações de aliança: implicam um compromisso de nossa parte. A Bíblia afirma que a ideia de aliança é a essência do casamento (Gn 2:22-25; Ml 2:14; Ez 16:8; Pv 2:17; Ef 5:31). A relação de aliança é uma combinação extraordinária de lei e amor.
Os votos de casamento não são uma declaração de amor presente, mas uma promessa de amor futuro que envolve compromisso mútuo. Faz algumas décadas que está na moda os casais escreverem suas declarações de consentimento e votos. Esses votos que os noivos escrevem: “Eu te amo e quero estar com você”, não são votos de casamento.

Os votos são o cerne do casamento. O verdadeiro voto é este:

“Em nome de Deus (primeiro o relacionamento vertical), eu, ________, te recebo, para seres minha esposa de hoje em diante, para conservar-te na alegria e na tristeza, na riqueza e na pobreza, na saúde e na doença, para te amar e cuidar de ti, até que a morte nos separe. E para isso, dou-te a minha palavra e fé”.

Hoje em dia é preciso ser corajoso para dizer e se comprometer com este voto acima. Esta é a base do casamento, e o amor, o fruto deste compromisso verdadeiro. Mas, para aqueles que menosprezam este lindo compromisso, por não precisarem de um “pedaço de papel”, na verdade preferem um relacionamento de consumo, pois sabem que quando o “fornecedor” parar de suprir suas necessidades, eles irão “partir pra outra”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

À procura da Felicidade

Em 2006 um filme estrelado por Will Smith retratou a história real da vida de Chris Gardner, um empresário norte-americado, investidor...