segunda-feira, 11 de junho de 2018

Ter ou não ter filhos: analisando questões como aborto, contracepção, infertilidade e adoção - (Parte 5)



Dando sequência em nossa análise sobre a questão da infertilidade hoje falaremos sobre dois métodos reprodutivos: a transferência intrafalopiana de gametas (GIFT) e fertilização in vitro (FIV).
Na transferência intrafalopiana de gametas (GIFT) realiza-se um tratamento hormonal de superovulação com medicamentos que estimulam a liberação de vários óvulos. Os óvulos são coletados por meio de um procedimento cirúrgico simples orientado por ultrassom transvaginal. O sêmen também é coletado e passa por um tratamento para reduzir a viscosidade, que facilita o processo de concepção. Os gametas são colocados juntos em um único cateter, separados apenas por uma minúscula bolha de ar e inseridos nas trompas de Falópio da mulher. O procedimento aumenta a probabilidade da concepção e início da gestação.
O princípio de avaliação deste método a ser considerado é o do respeito a vida por todos os seres humanos como portadores da imagem de Deus. Em Gênesis 1:27 vemos que os seres humanos foram criados à imagem de Deus, portanto, é errado usar ou tratar alguém como um meio para um fim ou intencionalmente colocar uma pessoa inocente em situação de risco por uma simples questão de conveniência própria. Em alguns métodos de reprodução medicamente assistida (RMA) é prática comum fertilizar vários óvulos e congelar essas crianças por tempo indeterminado para serem usadas ou descartadas caso os pais resolvem não ter mais filhos. São práticas inerentemente desrespeitosas e que usam as crianças apenas como um meio para os pais alcançarem seus objetivos, não sendo apropriadas para os cristãos.
A fertilização in vitro (FIV) é bastante parecida com a GIFT em termos de procedimento técnico, mas apresenta uma distinção importante. Enquanto na GIFT a fertilização e concepção ocorre no corpo da mulher, na FIV a fertilização ocorre em um ambiente artificial (“in vitro”, lit., “no vidro”, uma referência ao tubo de ensaio ou placa de Petri onde a concepção ocorre). Como na GFIT a mulher recebe tratamento hormonal para estimular a liberação de vários óvulos que são coletados par o uso no procedimento. O sêmen também é coletado e os gametas (óvulos e espermatozoides) são colocados na mesma placa de Petri na expectativa de que ocorra o maior número possível de concepções. Depois é feita uma triagem dos embriões recém-formados por uma especialista, por meio de uma transferência embrionária (TE), que procura implantar até quatro embriões no útero da mulher para que ela fique grávida de pelo menos um. Os embriões restantes são destruídos ou congelados para futuras tentativas. Estudos incidam que 25 por cento dos embriões congelados não sobrevivem ao processo de congelamento e descongelamento pelo qual passarão antes da próxima tentativa.
O princípio de avaliação deste método é o respeito à fidelidade do vínculo conjugal. Gênesis 2:24 declara: “Portanto, o homem deixará seu pai e sua mãe e se unirá à sua mulher, e eles serão uma só carne”. Foi nesse contexto (relacionamento de uma só carne) entre marido e mulher que Deus ordenou que frutificassem e se multiplicassem (Gn 1:28). A Bíblia não só condena os relacionamentos adúlteros (Êx 20:14; Dt 5:18; Rm 13:9), mas também afirma a natureza exclusiva do vínculo conjugal (Mt 19:5; 1 Co 6 e 7; Ef 5:28-31). Essas passagens bíblicas têm implicações diretas no tocante ao uso de tecnologias de reprodução, particularmente no caso de métodos que empregam material genético (óvulos de doadora, sêmen de doador, DNA de doadores) de alguma outra pessoa além do marido ou da esposa. O uso de óvulos ou sêmen de doadores corresponde ao adultério por se tratar de uma intromissão inapropriada na natureza exclusiva da fidelidade a sexualidade conjugal. Veja o exemplo de Abraão e Agar (Gn 16:1-4). 


REFERENCIAL TEÓRICO

KOSTENBERGER, Andreas J; JONES, David W. Deus, casamento e família: reconstruindo o fundamento bíblico. São Paulo: Vida Nova, 2011, p. 138-140.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

A instituição responsável pela educação é a família e não o Estado

As crianças e adolescentes de nosso país estão sofrendo violações de direitos fundamentais inerentes à sua faixa etária. E uma das mais r...